quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Alvoroço santo

Por Missionária Marta Lúcia
publicado originalmente no site da Junta de Missões Nacionais
da Convenção Batista Brasileira
Estes que têm alvoroçado o mundo, chegaram também aqui; Atos 17:6b
Realizamos um culto em um dos bares da comunidade da Mutamba da Caeira, com o consentimento do dono. Queria chegar lá e falar para os bêbados, por isso pedi ao Sr. Carlos, dono do bar, que não avisasse a ninguém. Chegamos e havia algumas pessoas bebendo. Os meninos da nossa congregação convidaram os vizinhos e então começamos com alguns cânticos, depois uma encenação evangelística e as pessoas, que de início pareciam assustadas, iam ficando mais à vontade, depois eu dei uma palavra relacionada à peça.
No meio da pregação, um dos bêbados começou a fazer perguntas a respeito do amor de Deus para com ele e eu lhe disse que Deus o amava e ele me perguntou: “Assim desmantelado, sujo e fedendo a cachaça?“. Terminamos o culto e nos reunimos para lanchar no bar, como tínhamos combinado previamente. Aquele homem, chamado Chagas, veio falar comigo e disse que não aguentava mais aquela vida, que os espíritos o perturbavam muito e que bebia pra poder dormir, pois os espíritos ficavam ao redor de sua rede. Nesta ocasião chegou a nomear pelo menos quatro deles.
Falei pra ele entregar a vida a Jesus e ele perguntou como fazer. Quando comecei a explicar-lhe, percebi que já não era mais ele a falar, mas sim um dos espíritos que estavam nele e este me desafiou. O espírito disse que eu não entraria na casa dele e que “um pastor da Assembleia tentou e sua Bíblia pegou fogo” e uma pregadora de outro lugar foi lá e caiu na porta da casa. Então eu disse pra ele:
eu vou entrar na sua casa e não vou cair porque vou em nome de Jesus Cristo e eu estou agora na sua frente de pé e não vou cair, mas você vai ser liberto em nome de Jesus.
Voltamos pra casa, convidei toda a igreja a orar e jejuar comigo por dois dias, até quando iríamos visitar aquele homem. Chegamos lá no dia acertado e não o encontramos, ficamos tristes, oramos em frente da casa dele e pedimos a Jesus que o colocasse em nosso caminho. Voltamos procurando por ele no bar, na casa do pai dele, onde as pessoas diziam tê-lo visto, e nada! Até que o avistamos em frente à Assembleia de Deus e então fomos ao encontro dele, que já tinha bebido um pouco.
Voltamos à casa dele e foi lindo. Quando ele abriu a porta já foi se ajoelhando e dizendo que queria entregar sua vida a Jesus. Oramos com ele, cantamos, lemos a Bíblia. Meus queridos, este homem mudou o semblante, os olhos brilhavam, dava glória a Deus, dizia que estava liberto, cantava… foi maravilhoso! Ficamos de voltar no dia seguinte à noite. Chegando lá não o encontramos, procuramos em todos os lugares possíveis e não o encontramos, dissemos pra Jesus que queríamos aquele homem e que não desistiríamos. Dois irmãos se comprometeram a procurá-lo no dia seguinte, assim fizeram e o encontraram dormindo no quintal do bar desde o dia anterior, segundo informação do dono do bar.
Os irmãos o levaram pra suas casas, deram-lhe banho, roupas limpas, comida e adotaram o irmão Chagas. E que alegria quando entramos na igreja e ele estava sentadinho, bem vestido e nos cumprimentou com um largo sorriso. Depois de dez dias sem beber e andando limpo, já começou a trabalhar e disse que os demônios fugiram todos.
Meus queridos, este fato causou um grande impacto em toda a localidade de Mutamba. As pessoas estão procurando a igreja, estão perplexas e dizem que nunca viram coisa igual, porque ninguém dava valor àquele homem, mas Jesus o transportou do reino das trevas para sua maravilhosa luz. Naquele dia, naquele bar, havia 18 bêbados e queremos todos os outros pra Jesus também e vamos continuar com esta estratégia. O dono do bar aceitou realizar um grupo familiar em sua casa e tem havido um grande alvoroço por aqui. Queremos mais e mais e vamos conquistar este lugar para Cristo a fim de que ele seja verdadeiramente feliz.
Orem por nós, vamos avançar!
Missionária Marta Lúcia
missionária na cidade de Açu no Rio Grande do Norte


por willes pinheiro

Nenhum comentário: